O dia em que parti

foi no passado mês que abandonei o meu lar; deixei as minhas roupas usadas, os cantos à casa já conhecidos, o rosto familiar das pessoas que cruzavam comigo nas ruas da minha eterna cidade natal. foi há precisamente dezanove dias que deixei ficar o cheiro a maresia, o som do rebentar das ondas do mar, o sol quente dos dias frios de outono.. aos poucos e poucos a saudade foi apoderando-se das veias que constituem o meu corpo para se acomodarem no músculo cardíaco que há muito anseia ver quem lhe é mais querido. mas é com o cair da noite que a saudade dói, por muito que não escorram lágrimas, a ânsia de um dia voltar à terra que nos viu nascer é muita. apesar de tudo, faz bem mudar as roupas que usamos, virar páginas já escritas e guardar as recordações no sítio ao qual chamamos memória. porque, afinal, a cada dia que passa é mais um dia de conquista longe de tudo e de todos onde se mostra do que se é capaz.

8 comentários:

mariana disse...

Força Adriana :)) Muita sorte para o teu futuro*

Mariana disse...

Coragem! Tu és capaz :))

Andreia Morais disse...

Há alturas em que é preciso mudar. É claro que as saudades apertam, mas são capazes de superar :)

Beijinhos e boa sorte*

Ju disse...

Identifico-me tanto com o teu blog. Segui!

simple soul disse...

adorei ter noticias tuas Adri (:
pensei que já não te encontrava mais s:
como estas ? eu também ando ocupada com a faculdade e isso dá-me menos tempo para escrita infelizmente .
mil beijinhos

bruna de andrade disse...

espero mesmo que estejas bem :') *

Pedro Miguel SIlva Macedo. disse...

Muita força! Boa sorte para o teu futuro!

Diana Machado disse...

temos de aproveitar o melhor que cada experiência nos dá :) um beijinho